IASD

05/03/2020

Maturidade passo a passo

04/03/2020

A força de um olhar

A criança maltrapilha, parada em um semáforo, não precisa fazer discurso. O olhar suplicante diz tudo o que ela espera receber naquele lugar. A mão estendida e o olhar da mãe de aparência frágil, sentada sob uma marquise e com um bebê no colo, falam por si mesmos. Quando olhares se cruzam, pode nascer o amor que une até à morte. Casais enamorados, mesmo marcados pelo transcurso dos anos, comunicam-se pelo olhar. Há olhares que acusam, condenam, reprovam ou advertem. Há uma força incrível em um olhar. Contudo, nada existe comparável ao olhar amoroso de Jesus.
03/03/2020

A regra de ouro

Segundo uma lenda grega, ao criar as cidades, Zeus presenteou suas criaturas com duas virtudes: o senso de justiça e o senso de vergonha. Com isso, acreditava ser possível a boa convivência entre os homens. A justiça limitaria direitos e deveres do cidadão. A vergonha serviria para equilibrar a ambição, a vaidade e a fúria desmedidas entre as pessoas. O que sabemos é que Zeus nunca existiu, e esse relato está bem distante da realidade. As manchetes dos noticiários deixam claro que as duas virtudes estão muito reduzidas em todos os tipos de relacionamento. Valores e princípios parecem ideias ultrapassadas, e os conceitos de “salve-se quem puder” e “levar vantagem em tudo” não têm limites.